João Pedro Stédile debate “O agronegócio e suas consequências sobre a vida da cidade” no Teatro Casa Grande

20/04/2011

P190411_20.28

Com o “foyer” do Teatro Casa Grande novamente lotado o comapnheiro João Pedro Stédile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) debateu o “agronegócio”, dando sequência ao Cíclo de Debates Sobre os Problemas Brasileiros promovido pelo Instituto Casa Grande e pelo Jornal de Cultura e Política Algo A Dizer (www.algoadizer.com.br).

P190411_20.22

Antes do debate a companheira Maria Luiza Busse informou sobre a grave situação em que se encontra a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB).

P190411_20.17

Com uma platéia atenta e muitas das vezes até mesmo horrorizada com as informações transmitidas pelo companheiro, Stédile discutiu a atuação do capital no campo e a criminalçização dos movimentos de massa pela grande mídia.

P190411_20.22[01]

P190411_20.23[01]

P190411_20.16

Segundo o companheiro, o MST hoje não busca somente a denocratização da propiedade rural, mas a implantação de agro-indústrias geridas pelos pequenos produtores rurais, através de cooperativas, como ocorre na China e no Vietnam.

P190411_20.29

P190411_20.23

Falando sobre as comunidades ribeirinhas, populações nativas e quilombolas, entre outras, Stédile afirmou que, apesar do apoio do MST às suas causas, o problema maior é a dispersão desses povos em quilômetros e quilômetros de território brasileiro, o que facilita o isolamento e o ataque aos seus interesses específicos.

P190411_20.25[01]

P190411_20.23

Departamento de Comunicação

Registro Fotográfico: Jornal Algo A Dizer