100 de Apolônio de Carvalho: Uma Vida de Lutas!

13/06/2012

Convite Apolonio Niteroi

Em uma iniciativa do vereador Waldeck Carneiro (PT-Niterói), na proxima segunda-feira, 18/06, às 18 horas, haverá uma Sessão Solene na Câmara Municipal da Cidade Sorriso em homenagem ao ex-deputado e ex-dirigente cumunista Apolônio de Carvalho.

Na ocasião será lança do o livro: Uma Vida de Lutas de Reneé France Carvalho (Editora Fundação Perseu Abramo).

Falecido em 2005, Apolônio de Carvalho iniciou sua trajetória nas fileiras do antigo Partido Comunista Brasileiro (PCB) nos idos da década de 1930.  Participou ativamente da Aliança Nacional Libertadora, liderada pelo PCB, sendo expulso do Exécito Brasileiro justamente por isso; depois fez parte da Brigada Internacionalista que defendeu a República Espanhola, lutando contra as hordas facistas de Francisco Franco entre os anos de 1937 e 1939, quando se asila na França ficando detido no Campo de Refugiados de Gurs, de onde fugiria em 1942. Segue então para Marselha onde ingressa nas fileiras da Ressitentência Francesa naquele mesmo ano. Após a II Guerra, Apolônio é condecorado por sua bravura com a Legião de Honra, sendo tido até hoje como heroi naquele país.

De volta ao Brasil, retoma as atividades dentro do PCB, onde se torna dirigente e membro da Comissão Executiva do Comitê Central do antigo “Partidão”. Devido a divergência internas com o Comitê Central, em 1967, Apolônio deixa o PCB, juntamente com a Corrente Revolucionária do Estado do Rio. No ano seguinte, juntamente com outros dirigentes de peso daquele partido, fundam uma nova agremiação política, o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), visando a derrubada através das armas do Regime de Terror imposto pelos militares no Brasil desde a deposição do presidente contitucionalmente eleito, João Goulart, em 1º de abril de 1964.

Preso em 1970, juntamente com outros dirigentes do PCBR, Apolônio é brutalmente torturado por dias seguidos. Porém, em 1971, ele e mais 39 militantes de esquerda que também estavam presos nos porões da ditadura, são trocados pelo embaixador alemão que havia sido sequestrado por militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

Apolônio de Carvalho nunca mais voltou para o PCB. No final dos anos de 1970 é anistiado e retorna ao Brasil em 1979. Assim aproxima-se dos grupos de oposição e operários sindicalistas e fundam o Partido dos Trabalhadores (PT) em 1980. Permanece na direção do novo partido até 1987 quando se afasta por orientação médica. Todavia, mesmo afastado da direção pol,ítica do PT, sempre foi um entusiásta socilista que jamais se furtou ao debate político e de idéias, mesmo quando a avalanche neo-liberal destroçou boa parte da esquerda brasileira.

Nesse sentido, congratulamo-nos com a iniciativa do verador Waldeck Carneiro e saudamos essa homenagem com um brado ao comunista, internacionalista e guerrilheiro…

APOLÔNIO CARVALHO… PRESENTE!!!

Departamento de Divulgação