Lançamento do Livro: Luis Carlos Prestes no Teatro Casa Grande

25/11/2012

!cid_072BF844-C797-4527-A499-D85DC9EF60A7

AMANHÃ, segunda (26/11), às 20h, lançamento do livro “Luiz Carlos Prestes” (Ed. Expressão Popular), de Anita Leocádia Prestes.

Na ocasião, haverá debate da autora com o historiador Lincoln de Abreu Penna.

Anita Leocádia Prestes é historiadora (doutora em História pela UFF), ex-dirigente do PCB e filha do “Cavaleiro da Esperança” Luis Carlos Prestes.

Lincoln de Abreu Penna é historiador, mestre em Maîtrise Histoire – UNIVERSITÉ DE TOULOUSE LE MIRAIL (1970) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1994). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil República, atuando principalmente nos seguintes temas: florianismo, movimentos políticos do Brasil republicano, intelectuais orgânicos e inorgânicos do Brasil contemporâneo, imprensa comunista e nacionalista, estudos biográficos e autobiográficos. Ocupa-se de consultoria política e estudos estratégicos para instituições.

A entrada é franca.

Departamento de Divulgação

“Território Livre da Democracia” é lançado em Niterói.

02/10/2012

Com a presença do presidente do Instituto Casa Grande, Saturnino Braga, que foi um dos palestrantes do Ciclo de Debates que originou o livro, organizado por Marcelo Barbosa, que também esteve presente, foi lançado ontem, em Niterói, na EDIUFF (Livraria e Editora da Universidade Federal Fluminense), o livro “Território Livre da Democracia – Os novos debates do Teatro Casa Grande”.

lançamento_uff_006

Além do lançamento, houve um pequeno debate acerca da obra de da atualidade dos temas abordados no Ciclo de Debates. Fizeram parte da mesa, o presidente do ICG, Saturnino Braga, na qualidade de um dos expositores do Ciclo, Marcelo Barbosa, organizador da obra, e o vereador da Cidade Sorriso, membro da Academia Fluminense de Letras, professor da UFF, Waldeck Carneiro.

lançamento_uff_001

Estudantes e professores, além de amigos do ICG, e militantes políticos engrossarm a festa e deram o tom do debate.

lançamento_uff_002

A iniciativa do lançamento do livro “Território Livre da Democracia” nas paragens de Niterói foi da jornalista Mariah Araujo edo Jornal de Cultura e Política “Algo A Dizer” , com total apoio  do Instituto Casa Grande e Escola Nacional Florestan Fernandes.

lançamento_uff_005

Departamento de Divulgação

Lançamento da Coleção Grandes Pensadores Brasileiros

29/09/2012

Anotem na agenda: dia 9/10, uma terça-feira, às 20h, no foyer do Teatro Casa Grande, vai ser lançado vídeo e livro sobe Celso Furtado com um debate sobre “Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo”. Os palestrantes são o economista Ricardo Bielschowsky, da UFRJ, a cientista política Vera Cepêda, da UFSCar, e o coordenador do MST João Pedro Stédile.

Coordenando os trabalhos, o ex-senador Saturnino Braga, presidente do Instituto Casa Grande, e Rosa Freire D’Aguiar, diretora do Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento.

Esse vídeo com livreto foi organizado pela Escola Nacional Florestan Fernandes – em parceria com a TVE-Paraná e a Fundação Darcy Ribeiro, com apoio do Ministério da Cultura. De um total de mais de 40, os seis primeiros já lançados são sobre Celso Furtado, Darcy Ribeiro, Florestan Fernandes, Caio Prado Jr., Madre Cristina e Paulo Freire. Educativos, procuram apresentar a vida e da obra dos grandes pensadores brasileiros.

Debatedores:

Ricardo Bielschowsky é professor do Instituto de Economia da UFRJ e ex-diretor no Brasil da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina) e autor, entre outros, de “Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo” (Contraponto, 1995).

Vera Cepêda é professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos/UFSCar, na graduação e no programa de pós-graduação em Ciência Política. Possui trabalhos e desenvolve pesquisas no campo do pensamento político e social brasileiro, especialmente ligados às teorias do subdesenvolvimento, nacional-desenvolvimentismo e as metamorfoses do processo de modernização ocorrido no Brasil durante o século XX, com ênfase no binômio desenvolvimento-democracia. É editora da revista Teoria & Pesquisa.

João Pedro Stédile é pós-graduado em Economia pela Universidade Nacional Autônoma do México (Unam) e membro da direção nacional do MST, do qual é um dos fundadores.

Esse evento é mais um fruto do encontro do Instituto Casa Grande (ICG) com a Escola Nacional Florestan Fernandes e divulgação pelo jornal Algo a Dizer.

Parceria:

No ano passado essa parceria realizou um ciclo de debates com Emir Sader, João Pedro Stédile, Samuel Pinheiro Guimarães, Aleida Guevara, Aloísio Teixeira, Wladimir Pomar, Saturnino Braga e Muniz Sodré. E uma mesa que discutiu a obra e o legado de Nelson Werneck Sodré com Marcelo Barbosa, Marly Vianna, Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Neto. Esses debates saíram em livro: “Território livre da democracia – os novos debates do Teatro Casa Grande” (ed. Jardim Objeto, 138p.).

Deparmento de Divulgação

Lançamento do livro: Território Livre da Democracia

23/07/2012

Oi Casa Grande 073

Depois sucesso do pré-lançamento, ocorrido durante a comemoração do aniversário de 25 anos do Jornal de Cultura e Política ALGO A DIZER, realizado no dia 14 de maio último, no Teatro Oi Casa Grande, será devidamente lançado o livro “Território Livre da Democracia”, contendo a coletânea das transcrições dos novos debates do Teatro Casa Grande.

O coquetel de lançamento será na Livraria Travessa de Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 572) no dia 30 de julho, às 19h30, e contará com a presença de alguns dos debatedores.

O organizador da coletânea, o companheiro Marcelo Barbosa da Silva estará na livraria autografando os exemplares vendidos.

O preço está dentro do que podemos chamar de convidativo, ou seja, pouco mais de R$ 25,00.

Contamos com a presença de todos!

Departamento de Divulgação

Diretoria do ICG prestigia Grito de Carnaval do B.C.Devassos da Cardeal

06/02/2012

Grito de Carnaval Devassos da Cardeal

Com o apoio irrestrito de nossa diretoria, que conta com dois grandes beneméritos da agremiação carnavalesca, os companheiros Moysés Ajhemblat e Saturnino Braga, o Bloco Carnavalesco Devassos da Cardeal realizou neste último sábado, dia 4, um Grande Grito de Carnaval no Clube de Regatas Internacional, na Glória.

Com cerca de 200 foliões divertindo-se como nos carnavais que já ficaram na lembrança, em total ambiente familiar, a diretoria do Devassos da Cardeal prestou significativa homenagem aos músicos brasileiros tornando também beneméritos os musicistas Eduardo Guedes, Alceu Pery e Davi Trumpete.

Devassos da Cardeal 2

O deputado federal Alessandro Molon (PT-RJ), por sua luta em defesa da cultura e, principalmente, do patrimônio cultural do Rio de Janeiro, incluindo o bairro de Santa Tereza, onde é a sede do B.C. Devassos da Cardeal, também foi homenageado.

Abaixo uma breve pincelada do que foi a tarde pré-carvalesca:

Departamento de Divulgação


“Não há limites para o investimento em Educação”, diz Dilma Rousseff

20/01/2012

AgenciaBrasil24012012JC2081

Brasília – Na cerimônia de posse dos novos ministros da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação, a presidenta Dilma Rousseff disse que aprendeu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a não subordinar as decisões em relação aos investimentos na área de educação a critérios meramente econômicos. Segundo ela, a regra do jogo era não ter limite para os investimentos nessa área.

Dilma lembrou que quando era ministra da Casa Civil do governo de Lula, acostumou-se a ver as portas sempre abertas para o ministro da Educação, Fernando Haddad, e que vai adotar a mesma postura no seu governo.

“Quando tínhamos que discutir com o presidente a criação e a interiorização de universidades, a criação de escolas técnicas e a criação de institutos federais de tecnologia, era a coisa mais fácil que tinha porque sempre a porta para Fernando Haddad estava aberta. Sempre não tinha limite para investimento, e que nós, Casa Civil e Planejamento, tínhamos que nos conformar porque era assim a regra do jogo”, declarou.

A presidenta aproveitou para dizer ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, que a sua intenção é manter a mesma política. “Eu quero informar ao Guido que eu aprendi muito com o presidente Lula”, disse Dilma arrancando risadas dos presentes. “Eu continuo o mesmo projeto porque eu sei que é isso que transformará o Brasil”, completou, atribuindo a Lula a iniciativa de democratizar o acesso à educação no país.

Em uma cerimônia marcada pelo tom emocional, a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva emocionou a todos. Sem cabelos, por causa do tratamento de radioterapia contra um câncer de laringe, Lula, usando um chapéu preto, sem gravata, desceu a rampa interna do Palácio do Planalto, que liga o gabinete da Presidência, no terceiro andar, ao Salão Nobre, segundo andar, onde ocorreu a cerimônia.

Em seu discurso, a presidenta, mais uma vez, defendeu o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) principal foco de críticas ao governo devido aos vazamentos e problemas na execução das provas. “Não estou aqui fazendo a defesa do Enem por nenhum princípio de teimosia, mas é porque ao fazê-lo, estou defendendo o ProUni, o ReUni e o Ciência sem Fronteira”, completou a presidenta referindo-se aos projetos do governo para qualificação de mão de obra e de desenvolvimento de tecnologia. Para Dilma Rousseff, sem o Enem seria impossível fazer a seleção dos beneficiados pelos programas. O vestibular, de acordo com a presidenta, não seria adequado por sua característica adotar critérios díspares.

Na avaliação de Dilma, os problemas que surgiram durante a execução do Enem resultam da própria dimensão do programa. “Nenhum de nós é soberbo de achar que um projeto que se faz nasce perfeito. Ele precisa de um teste da realidade. Ele precisa da tentativa e erro. Agora, há que reconhecer, que um projeto que abrange milhões de pessoas, é inevitável que nos primeiros tempos ocorra alguns desvios. Esses desvios nós temos a humildade de reconhecer e de corrigir. Quem não é capaz de fazer isso não faz uma boa gestão”, disse.

Fonte: Agência Brasil: Luciana Lima
Repórter da Agência Brasil


Dilma muda regras de concessões de rádio e TV

16/01/2012

aa42269fbd9c4b72cf3c

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff assinou hoje (16) decreto que altera regras para concessões de rádio e televisão no país. A medida muda principalmente as regras para a licitação, com exigência de garantias financeiras para participar dos leilões. Outra alteração do decreto é que as outorgas de rádio passarão a ser assinadas pelo Ministério das Comunicações. Já as concessões de TV continuarão passando pela Presidência.

As mudanças começaram a ser articuladas depois que o ministério recebeu denúncias de pessoas que venceram licitações de concessões sem capacidade financeira para manter emissoras de rádio e TV. Os leilões de novas concessões estavam suspensos desde o ano passado.

A partir de agora, os interessados em obter uma concessão têm que comprovar capacidade técnica e financeira de manter a emissora no ato da inscrição no processo licitatório. Eles terão que enviar dois pareceres independentes que comprovem a capacidade econômica da empresa para executar o serviço. Também será obrigatória a comprovação de origem dos investimentos e a apresentação de balanço patrimonial e contábil, de acordo com o Ministério das Comunicações.

O pagamento da outorga, que antes era parcelado em duas vezes, agora tem que ser feito à vista, de acordo com o decreto. A caução exigida da empresa pode chegar até 10%. Na regra anterior, o valor não passava de 1%. Se o vencedor do leilão não fizer o pagamento, será desclassificado e a concessão será repassada ao segundo colocado no certame. Se a concessão não for aprovada pelo Congresso Nacional, o dinheiro será devolvido, com correção pela taxa Selic.

O decreto também altera questões de conteúdo. Com a mudança, o tempo destinado a programas locais (produzidos no município de outorga) e a produções independentes será utilizado como critério para decidir os vencedores dos leilões. Até agora, essa avaliação levava em conta o tempo destinado a programas jornalísticos, educativos, culturais e informativos. Segundo o Ministério das Comunicações, a nova exigência segue uma diretriz da Constituição, que prevê a valorização de as produções locais e as independentes.

Para o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a reformulação do processo licitatório visa a tornar as licitações mais transparentes, rápidas e eficientes. “É uma garantia para o Estado que as licitações feitas serão implementadas e virarão emissoras de radio e televisão, evitando que pessoas entrem [na licitação] simplesmente para especular. Estamos empurrando regras para maior profissionalização dos licitantes. Estamos fazendo mais exigências que vai tornar esse processo mais seguro”, disse.

Com as mudanças, o governo pretende retomar os leilões de concessões de emissoras comerciais de rádio e TV e deve lançar em março um planejamento com datas de novas concorrências. O decreto será publicado na edição de amanhã (17) do Diário Oficial da União.

Fonte: Agência Brasil de Notícias.